© 2020 por Ensaio.

Técnicas e Estratégias para você melhorar suas Anotações e Otimizar a Documentação



Sabemos que nossa memória não é perfeita nem tão precisa quanto, muitas vezes, pensamos. Temos capacidade de manter lembranças em linhas gerais por um grande período de tempo, mas o fato é que os detalhes das memórias costumam se alterar em mais de 50% no espaço de 1 ano.


Inclusive lembranças fundamentais, de momentos tidos como de grande importância em nossas vidas, são distorcidas com o tempo. Algumas associações podem reforçar nossa memória, daí a importância da documentação.


Não podemos transmitir regras e informações essenciais para nossos descendentes de forma codificada em nosso DNA. Quando morremos, nosso cérebro morre com a gente. É possível, sim, transmitir memórias de um cérebro para outro, mas, como sabemos, após algumas transmissões, a informação acaba, de uma forma ou de outra, deturpada.


O documento é qualquer declaração escrita, oficialmente reconhecida, que serve como prova de um acontecimento, fato ou estado. Qualquer objeto que comprova, elucide, prove ou registre um fato, acontecimento (HOUAISS, 2018).


Os mais remotos registros da escrita são representados por esforços em sustentar leis, costumes, procedimentos e maneiras.


A documentação possibilita ampliar o entendimento de objetos cuja compreensão necessita de contextualização histórica e sociocultural. É a ligação entre uma dimensão do tempo (fotografia de uma ocasião ou contexto) e uma compreensão do social.


Diferenças


A análise pode ser dividida em dois grandes segmentos:


Pesquisa Bibliográfica: são contribuições de diferentes autores sobre um ou mais determinado(s) tema(s), atentando-se às fontes secundárias.


Pesquisa Documental: recorre a materiais que ainda não receberam tratamento analítico, ou seja, fontes primárias.


O valor em sabermos analisar materiais primários ou secundários é inerente ao desenvolvimento de novos trajetos.


Como analisar documentos?


Um documento não é passível de transformação em si mesmo, apenas de análise, para que possamos ampliar o entendimento de objetos cuja compreensão necessita de contextualização histórica e sociocultural.


Sempre atentando-se a um olhar crítico, observando aspectos fundamentais como sua autoria (perfil e histórico), para assim entendermos suas motivações e interesses e interpretá-lo da melhor forma.


É determinante nos atentarmos a algumas etapas de estudo como: questões e hipóteses de interesse, investigação, examinação, técnicas apropriadas para seu manuseio, análise e síntese.


A etapa de análise dos documentos propõe-se a produzir ou reelaborar conhecimentos e criar novas formas de compreender os fenômenos.


Essas mensagens podem ser abordadas de diferentes perspectivas e ângulos, cabe ao investigador interpretá-las, sintetizar as informações, determinar tendências e na medida do possível fazer a inferência, assim como é descrito no processo do Duplo Diamante, aplicado pelo Design Thinking.





Aprofundamento, ligação e ampliação: aumentar o conhecimento, descobrir novos pontos de vista e conexões para aprofundar a visão. Identificando tendências como ponto de atenção.

Um estudo só é concluído quando passa a haver redundância de informações coletadas ao longo do processo, o acréscimo é pequeno frente ao esforço empregado e o sentido de integração já é forte.


Alguns métodos e técnicas para ajudar nas suas anotações


Existem diversos métodos de organização para anotações que visam otimizarmos nosso entendimento e documentação em leituras ou interlocuções.


Alguns deles são:


Linhas Gerais

Um dos mais simples, consiste em dividir a página do Bloco de Notas de forma vertical em duas partes.


Ao fazer anotações, você reconhece facilmente as informações mais importantes e essenciais e as diferencia das complementares. utilize margens para organizar as anotações.


A ideia mais geral começa logo à esquerda da página e grupos de informações mais específicas são posicionados por nível de importância à direita, em forma de lista.


Cornell


Uma das mais populares, divide o Bloco de Notas em 3 partes:

Separe dois espaços da folha do caderno com uma linha vertical, formando uma margem menor, na esquerda, onde depois serão anotadas as palavra-chave ou principais tópicos


Na direita, faça as anotações principais, pule algumas linhas e, depois da anotação, complete o espaço com mais impressões e outros “fragmentos” de informação.


Na margem menor, separe palavras-chave para classificar os temas que foram abordados.


Deixe um terceiro espaço na parte inferior da folha e utilize para fazer um resumo e registrar qual é a relação entre os temas anotados naquela página.


Mapas Mentais


O formato desenvolve a compreensão do conteúdo e funciona como uma representação gráfica. É útil especialmente em diálogos ou palestras que exigem participação.


Para se organizar não tem muito segredo: basta traçar setas e dividir as anotações em esboços de diagrama.


Do seu jeito


Essas são apenas algumas das técnicas mais conhecidas. Você pode adaptá-las à sua rotina ou, inclusive, desenvolver seu próprio mecanismo.


Gostou desse artigo?

Inscreva-se na nossa News (sem spam) e receba mais conteúdos como esse.

47 visualizações